sábado, 6 de abril de 2013

Caminho Torturante


O dia se inicia logo cedo. Tenho um longo dia pela frente e muitos desafios à vencer. Mas nenhum desses desafios se compara ao trajeto angustiante que encaro todas as manhãs rumo à escola. Tendo como companhia os inseparáveis fones de ouvido, me deslumbro de um mundo totalmente diferente do que estou acostumado sem eles. A música sempre escolhida à dedo dependente do meu humor, as vezes calma, as vezes barulhenta, as vezes burlescas, entretanto, na maioria das vezes uma música que me torna um Bey ou Bee. (Fã de Beyoncé).

Visto que ao meu redor está repleto de pessoas em seus trajetos diários, ponho-me a pensar no que pensam sobre mim. Apesar de minha cabeça estar um turbilhão de ideias, o coração está se desmanchando em sentimentos. Um aperto no coração, uns calafrios na barriga, as pernas e mãos trêmulas e os passos cada vez mais rápidos. Assim fico todas as manhãs nesse percurso amedrontador. Vale lembrar que não é o percurso que me deixa assim, mas A PESSOA que também percorre esse mesmo caminho até a escola.

Nossos caminhos são traçados com uma pontualidade incrível. Ao virar a esquina de casa todas essas sensações começam dentro de mim, parece que meus olhos são os causadores de ativar "tal função". Ao vê-la ao longe tudo ao meu derredor muda e o trajeto torna-se angustiante, pois um simples "oi" mudaria meu dia. Visando que nunca recebi esse "oi", apenas olhares sarcásticos de indireta: "SE AFASTE", a minha manhã tem se tornado calmamente mais estressante.

Mas mesmo assim deixo A PESSOA passar e resolvo segui-la, sendo escravo dos meus próprios sentimentos. Alguns têm gosto de desprezo, outros até tem gosto de um leve toque de masoquismo pessoal, mas no fundo esses sentimentos juntos se tornam um belo drinque de: "VOCÊ É IDIOTA", ao tomar o drinque coloco a música que faça jus ao nome, Just a fool (Apenas um tolo). E assim continuo meu trajeto até a escola. Por fora uma cara ameaçadora com olhares vazios, mas por dentro uma pessoa carente por uma palavra de consolo amiga.

Sempre me perguntei o porque de ainda estar fazendo isso, mas no fundo eu sabia a resposta. Gostava de uma pessoa que eu sabia que não gostava de mim. Ok, eu amo sofrer... Se tornar escravo de sentimentos não é uma das coisas que podemos considerar bela, visto que eles lhe abrem a visão e te mostram que você está errado, que deve parar com isso, que deve se valorizar, mas você nunca ouve e sempre acredita que um dia isso tudo mude. Masoquista sentimental... 

Até chegar o dia que você é pisoteado pelos sentimentos e você conseguir enxergar que seu coração deveria ter parado de amar quando foi alertado. Alerta? Sim, aquele que lhe dá um aperto no coração, uns calafrios na barriga, as pernas e mãos trêmulas e os passos cada vez mais rápidos; esse alerta. Continuei porque achei que dessa vez seria diferente. MENTIRA. Continuei porque quis...

Lembrando que já sei o final dessa história, eu continuo seguindo esse percurso até a escola, me torturando interiormente e pedindo para que dessa vez seja diferente. Sempre pedindo para que seja diferente. Diferente? No caminho torturante não existem diferenças, apenas um simples percurso até a escola que eu julgo: TORTURANTE.

2 comentários:

  1. Oun, que lindo! Parabéns, amado! *o*
    Muito bom seu texto e muito boa sua capacidade de expressar o que sente ao leitor, prendê-lo e fazê-lo sentir os mesmos calafrios e angústias que você. Amei *o* Este é o meu Chris <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *-* Vc não sabe o quanto me deixa feliz ouvindo isso de vc *-*
      Desde já obrigado, e saiba que são os elogios que vcs leitores me passam que faz eu progredir cada dia mais ^^

      Excluir