quinta-feira, 9 de maio de 2013

Adorável modo de ignorar-me!

"Troca de olhares não significa amor. Talvez signifique dor." - Christopher Duarte.


Está tudo se fazendo compassivo, estou adquirindo formas e me tornando frio novamente para disfarçar tamanha dor que insiste em se formar. Provavelmente eu percebi que estou acreditando nas ilusões que impus a mim mesmo e acreditei ser verdade para enganar o coração e faze-lo acreditar que meus sentimentos por outra pessoa estão sendo correspondidos. Assim me encontro no estágio final dessas etapas que tenho vivido incansavelmente: amar, se iludir, aceitar, sofrer, recomeçar.
Estou chegando ao estágio final, estou começando a aceitar a situação em que me encontro, saber que sentimentos não correspondidos são iguais folhas de papéis jogadas do alto de uma montanha, apenas vão voar para lugares indeterminados e provavelmente não serão mais achados. Entretanto, talvez seja essa a forma da vida dizer que preciso repensar nas minhas atitudes e só sofrer por algo que realmente esteja valendo a pena, para daqui alguns anos eu entender e não passar por tudo isso novamente.
A razão não assume forma sobre algo que o coração impôs como única opção de vida. Mas vejo que terei que seguir o conselho de uma querida amiga: "Você é novinho ainda". (L.T.) Elá está certa, devo me preocupar com meus estudos e fazer com que minha vida esteja totalmente voltada para algo que fará de mim um cidadão completamente feliz daqui alguns anos, independente de quem estiver ao meu lado e de quem poder compartilhar dessa alegria comigo. Devo parar de impor ilusões e fazer da vida um oceano do aprendizado.
O coração é algo indecifrável, faz você amar quem não te ama e negar quem te quer com todo o esforço do mundo. Infelizmente isso é um efeito dominó. Você gosta de uma pessoa que não gosta de você, essa pessoa que você gosta também gosta de outra pessoa que não gosta dela, e assim por diante. Vai se tornando uma bola de neve tão grande que tudo acaba se tornando uma parafernália de sentimentos indescrevíveis. Indescrevíveis a ponto de torna-lo loucamente um eterno apaixonado.
Hoje digo que prefiro ser mais razão do que sentimentos. Existem sentimentos lindos e concretos, entretanto, existem sentimentos dolorosos e marcantes que fazem do nosso coração uma folha de papel e o grifam como se fosse um marca texto que não será a base de água para limpar o que vai te marcar para vida toda e interferir em relacionamentos futuros com medo de ser marcado novamente. Tinta melancólica o bastante para fazer você feliz sozinho e psicótico perante o mundo.
Estou feliz sozinho. BAZINGA! OU NÃO? É, porém a dúvida está sendo maior. Daqui pra frente só sorrisos verdadeiros e rostos animadores sem máscaras que escondam alguma tristeza. Não é ironia, pelo menos não dessa vez!
Vou expor aquilo que realmente importa: Meu adorável modo de ignorar-me...

Nenhum comentário:

Postar um comentário