quarta-feira, 5 de junho de 2013

Espero que seja para você


Espero que não esteja lhe afoitando,
Pois a mesma coragem que me inspira
É a que tens tirado noites de sono
Fazendo com que a dor perdure,
Entretanto que no mesmo instante, assim,
Seja passageira
Aliás, que faça dos preceitos da sociedade
Uma mera parte do desconhecido
Daquela lembrança que afugenta 
Que engana e corrói o instinto.

Espero que não esteja lhe difamando
Perante aqueles que insiste em intitular
Como: "amigos",
Pois minhas atitudes nunca foram simplórias
Covalentes de esquisitice
E misticismo inexistente na alma
Que perante teus olhos
Nunca passou, nem passará,
De um incômodo contínuo
Até que o fim do ano lhe de boas-vindas.

Espero que não esteja lhe assustando
Com minhas manias indescritíveis
Onde busco "amenizar" o fole de intrigas,
Fazendo da falta de sua companhia:
Piano sem teclas,
Violão sem cordas,
Árvore sem galhos.
Onde apenas busco estar ao derredor
Rastejando a seu lado
Esperando gracejos que não serão meus.

Espero que não esteja lhe solicitando
Disponibilidade para minha vida,
Eis que solicitei, mas retirei
Retirei a vaga impreenchível 
Pois o saber engajou-se em outro ramo,
Ramo que tu nunca engajarás
Pois tua burrice acomodada em teu particular
Obscura-lhe!
Mas eu sei, sou diferente
Minha própria luz acompanha meu caminhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário