quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Doce como Fel.


“Observe o horizonte e seja igual: Longe, mas sempre visível; Lindo, mas não ofuscante perante o que o cerca; Indescritível, porém, único.” – Christopher Duarte.


Não sei realmente porque estou te escrevendo
Só sei que isso já virou uma ilusão,
Você nunca notou
Acho que nunca notará
Que sempre teve alguém que torceu por você.

Que pena saber
Que as pessoas ultimamente
Estejam valendo tão pouco,
O quanto não vale nem a pena tentar
Ou insistir para ver se há chance.

Já dediquei parte de minha vida
A uma pessoa
Que nem se quer ao menos quis saber
O que passei,
O que vivi.

Todo dia acordo e durmo pensando em você
Pois quem realmente ama
Corre atrás de seus objetivos,
Até que eles não sejam mais objetivos
Tornando-se um sonho infinito...

(...) Para assim ser vivido por quem ama,
Talvez não seja o meu caso
Mas eu pretendo sonhar cada dia mais,
Mesmo que para isso eu precise
Iludir-me cada dia mais com uma dose de felicidade.

Eu errei,
Meu grande erro foi te amar
E agora?
Simplesmente vou pedir
Que tudo não passe de um pesadelo inacabado...

(...) Porque um pesadelo inacabado é doce como fel...

Nenhum comentário:

Postar um comentário