segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Floresta Lefloid (CONTO)


Já estava entardecendo e Marcos se encontrava ainda no começo da trilha que desejava percorrer junto com seu irmão Pedro e a namorada dele Amanda. Estavam com esse pensamento em mente a semanas, mas nunca conseguiam concretizá-lo por conta do pouco espaço de tempo que tinham, visto que tinham que estudar à risca para a semana de provas que estava por se aproximar.

Marcos era estudante de engenharia e o mais forte e ágil dos três que se propuseram a subir a trilha que dava acesso ao pico da montanha Lefloid, Pedro e Amanda eram estudantes de direito, coragem não era o codinome dos dois, mas sempre topavam ir junto nas aventuras malucas que Marcos sempre propunha. Os três tinham o espírito de verdadeiros aventureiros e viviam sempre em busca de novas aventuras e lugares desconhecidos para explorar. Em uma de suas inúmeras aventuras, desceram uma das corredeiras de água mais altas da cidade, sendo que era proibida a entrada visto que era um lugar privado a população. Adoravam entrar e sair de lugares que era privados, sentiam a adrenalina percorrer suas veias. 

No entanto, a montanha Lefloid era diferente, era pública mas ninguém se atrevia a desbravar sua imensa trilha, por ser longa e cansativa e até então perigosa, pois o caminho até lá era imenso, cansativo e cheio de árvores que formavam uma grande floresta até lá. A floresta era conhecida por Black Lefloid, pois a folhagem das árvores era escurecida e os troncos das árvores era todos distorcidos e as vezes juntavam-se ao de outras árvores como se fossem trepadeiras. Mas nossos aventureiros estavam dispostos a enfrentar esse desafio.

Assim que começaram a adentrar na trilha da montanha que passava pela floresta Black Lefloid começou a escurecer rapidamente e os galhos das árvores impossibilitavam a entrada de luz natural. Marcos por ser o mais corajoso foi na frente com seu farolete e Amanda e Pedro foram atrás com lanternas. O vento era gélido o bastante para causar arrepios em qualquer um, e o barulho era impiedoso ao passar pelas árvores, fazendo ressoar vozes e gemidos que causavam medo da ponta do pé de Pedro e subiam até a ponta do fio de cabelo de sua cabeça. A floresta em si também era conhecida por suas lendas e mitos que a própria população contava de geração em geração.

Estava na cara que o objetivo de Marcos era chegar ao pico da montanha antes do anoitecer para poder acender uma fogueira e desfrutar do belo céu estrelado que daria para ver claramente de lá de cima, mas o objetivo de seu irmão era totalmente o contrário, ele pretendia voltar o mais rápido possível ao lugar de origem e retornar para casa. Pedro realmente só acompanhava seu irmão nessas aventuras por pura recomendação de sua mãe, mas no final de contas sempre acaba se divertindo e rindo muito com as aventuras, entretanto, trazia claramente em seu rosto o objetivo de não prosseguir. Amanda também não gostava muito da ideia de Pedro acompanhar seu irmão, mas como morria de medo de que algo acontecesse a seu amado, ia sempre junto para desfrutar das grandes maravilhas dos lugares visitados.

Ao já estarem praticamente no meio do percurso a escuridão tomou conta totalmente do lugar, e Marcos já dizia em alta voz aos outros dois medrosos:

- Agora não adianta querer retornar, já estamos no meio da trilha!

Pedro e Amanda apenas caminhavam calados e de olhos bem atentos a qualquer movimento ou barulho que ecoasse da floresta. Marcos apenas ia abrindo caminho dentre a escuridão e subindo ofegante por conta do cansaço que já ia tomando conta. Até que decidiu parar um pouco para descansar, convidou os outros para também pararem, mas o pensamento deles era totalmente o contrário, queriam sair daquele ambiente o mais rápido o possível. Mas Marcos insistiu e eles então cederam, porém estavam tremendo mais que vara verde. A escuridão tomou conta do lugar e nada se via além da grande luz que vinham do farolete e das lanternas, foi então que começou a ressoar um som estranho e ao mesmo tempo horripilante que vinha da direção das árvores. O medo tomou conta de todos, até de Marcos que não se deixava assustar facilmente.

O som parecia o ranger de dentes de lobos ao estarem realmente ferozes, e de fundo parecia que facas estavam sendo amoladas. Os três nessa mesma hora se colocaram a andar o mais depressa possível. Pedro estava adiantado e quase estava deixando Amanda para trás. Marcos estava atento com o farolete olhando para todos os lados. O som só aumentava. E o medo estava assombrando todos. Até que o inesperado aconteceu, ao olharem para trás, Pedro e Marcos não viram mais Amanda, e nesse exato momento o pânico tomou conta dos dois, começaram a chamar por seu nome incansavelmente. 

Enfim, nada resposta da menina, apenas o som que aumentava gradativamente. Marcos começou a voltar na trilha chamando por Amanda, gritando com todo seu fôlego esperando que algum som ressoasse de volta, e nada. Foi então que se deu conta que Pedro também não estava mais seguindo-o. O pânico realmente tomou conta de Marcos, começou a tremer e seus lábios automaticamente ficaram secos, a voz sumiu, e em um momento único de medo se pôs a correr ao ponto de origem da trilha. Porém o barulho foi apenas cessando. A claridade foi tomando conta do lugar aos poucos e ao chegar na saída Marcos apenas saiu e ficou ao longe apenas olhando com medo, mesmo com a falta de ar que estava se apoderando de si, por ter corrido tanto.

Enfim por entrarem tão depressa na trilha deixaram passar despercebido a presença de uma placa que se encontrava na parte superior das árvores, ao ler Marcos ficou horrorizado e saiu correndo aos gritos para casa a procura de ajuda. A placa dizia: 

AQUI JAZ MAIS DOIS CORPOS... OBRIGADO PELA VISITA, VOLTE SEMPRE!!

FLORESTA BLACK LEFLOID.

2 comentários:

  1. Perfeito! e que musica! delicia ler acompanhado de uma bela musica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigado :)
      As músicas do blog foram escolhidas à dedo, afim de entrar em harmonia com o próprio blog.

      Excluir