segunda-feira, 6 de julho de 2015

Majestosa forma de sofrer "literaturamente"

"Um pouco de 'eu lírico', um pouco de pseudônimo, um pouco de mim, um pouco de escritor, um pouco do que tenho a oferecer nessa noite de inverno gélida... Apenas!" - Christopher Duarte.

As noites se tornaram mais longas
As lágrimas mais incessantes
Os sentimentos mais indecifráveis
A dor no peito menos tênue
O brilho no olhar menos visível
Versos felizes menos aparentes
Melodia melancólica enquanto pensa
Lábios ressecados enquanto sussurra
Mãos gélidas enquanto escreve.

Um pouco de ternura em cada digitar
Pensamento vasto e escasso
Um poema por obrigação eu lírica 
Versos confusos e difusos
Mas com sentido para o escritor
Aliás, pobre escritor tênue a amar
Vossa inspiração lírica similar a dó
Lágrimas pensantes de incerteza e pena
Majestosa forma de sofrer "literaturamente".

Não que a dissociação de amor seja plena
Ou até mesmo que sofra aurora da dor
Porém, ser amado, ser escutado
Ser ouvido, ser indagado, ser lido
Não é o que tem tido ou sonhado
Não que as veredas da alma sangrem
Mas a esperança de ter tudo o que sonhou
Ter de volta amor, atenção, ouvidos
Perguntas, carinho, afeto mútuo.

Nem que o pseudônimo ressurja
Que se torne seu refúgio ou moradia
Nem que a música não pare de tocar
Que se torne seu porto seguro a velejar 
Enquanto se sentir só, em todos os sentidos
Ainda assim poderá ouvir os ecos internos:
- Bem me quer, mal me quer, bem me quer...
Um pouco de esperança líquida, ops, não há
Um pouco de reciprocidade, ops, também não há.

Não que seja digno de interesse e atenção
Nem mesmo de reciprocidade e afeto mútuo
Mas assim como a ocasião faz o ladrão
A ocasião faz a necessidade de ver
Poder entender o porquê de amar poder doer
Entender todos os viés que passa
Fazer cada manhã soar "Tudo bem"
Cada amanhecer dizer "Dormi bem"
E chorar por não ter escrito ao fim do dia.

- Por que escrever o que você não lerá?
Eu estou desistindo aos poucos de mim
As páginas fúnebres que escrevi estão sobrepostas
Um pouco de mim espalhado pela sala
Um pouco de mim doado a você
Um pouco de mim perdido em mim mesmo
Talvez eu seja novo com isso e interprete mal
Talvez eu seja apenas alguém só
Talvez eu apenas... ame!


O Observador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário